“Eles moveram montanhas por um amor com final feliz”

Por Priscilla Thompson – Jornal A Gazeta/ES em 24/01/2010

Eles podem não ser parecidos, podem não ser do tipo “nascidos um para o outro” nem formarem, juntos, um casal de causar inveja. Mas isso apenas à primeira vista. Afinal, quem nunca ouviu dizer que os opostos se atraem e que aqueles que são capazes de superar as barreiras é que são, definitivamente, felizes?

Em matéria de amor, eles são mestres em superar os obstáculos das diferenças, mesmo quando falta o apoio de quem está por perto. O que sobra na maioria deles, aliás, é perfeição, semelhança e afinidade. Talvez a superação das diferenças seja, inclusive, o tempero ideal para o amor.

Na literatura, no cinema e na televisão, histórias de amores improváveis são, de longe, os preferidos. Seja na relação entre um escravo e sua senhora, vivida por Peri e Ceci no romance “O Guarani”, de José de Alencar; na história de amor nada convencional entre um rapaz milionário e uma garota de programa, como no filme “Uma Linda Mulher”, de Garry Marshall; nas diferenças de idade entre tantos personagens de telenovelas, ou nas diferenças de cor, de tipo físico, de habilidades e de formas de pensar, na vida real.

Casos de casais como esses geralmente acontecem diante da reprovação dos outros. E o preconceito que acompanha a história de amor de quem não tem “tudo a ver” um com o outro pode pôr tudo a perder. Mas para esses cinco casais que têm, hoje, suas histórias contadas por A GAZETA, o final foi diferente, e foi feliz.

É como se a gente tivesse que provar aos outros que é possível, sim, dar certo. E isso nos faz ser ainda mais felizes“, resume a professora Marta Maria Emílio, 36 anos, uma das personagens da vida real que tem orgulho de contar a todos a sua história de amor nada convencional.

Aluno da Apae e professora: paixão que supera preconceitos

A história de amor que uniu, no dia 19 de dezembro, a professora Marta Maria Emílio, 36 anos, e o ajudante geral Dione Ramos da Silva, 26, poderia ser como outra qualquer se não tivesse sido escrita em meio a muito preconceito e vontade de superação. Os dois se conheceram há pouco mais de um ano, na Apae de Cariacica. Ela, professora; e ele, aluno especial há 16 anos, diagnosticado com retardo mental.

A gente se conhecia, mas eu não era professora da turma dele. Um dia, uma amiga me contou que o Dione estava interessado em mim, e eu não dei atenção. Achava que era coisa da cabeça dele, que iria passar. Depois de um tempo, decidi dar uma chance, e acabamos nos apaixonando“, conta Marta.

Foi preciso pouco tempo para que eles tivessem certeza do que queriam. “Fomos morar juntos, mas as pessoas nos olhavam com desdém, faziam fofoca e ligavam para a minha casa me cobrando o que eu não devia a ninguém. E me chocava o fato de até mesmo os professores que trabalham com a inclusão criticarem a nossa relação“, lembra Marta.

Dione, por outro lado, sempre esteve certo do que queria. “Eu dizia para ela: é só ter Deus no coração que tudo vai dar certo“, lembra o rapaz. Foi também em 2008 que Dione saiu da Apae e conseguiu um emprego em uma empresa de alimentos. E os dois já realizaram o segundo grande sonho: o casamento no religioso. “Nós nos sentimos vitoriosos, porque provamos que o nosso amor é maior“, diz Marta.

33 anos que não atrapalham

A diferença de idade entre Agnaldo Valtair de Oliveira e Shirley Almeida nunca foi problema para o casal, que está junto há cerca de três anos. Ele tem 53 anos; ela, 20. No início do relacionamento, porém, os 33 anos que os “separavam” e chamavam a atenção de todos não foram tão bem aceitos pela família de Shirley.

Minha mãe sempre me apoiou e ficou feliz de eu ter encontrado alguém como ele. Mas minhas irmãs nunca aprovaram completamente. As pessoas na rua também achavam que eu estava com ele por causa de dinheiro, mas o dinheiro que temos, nós ganhamos com muito trabalho, meu e dele“, diz.

Os dois mantêm, juntos, uma casa de festas e também alugam brinquedos para festas infantis e parques. “Somos muito companheiros. É difícil me encontrarem sem ela na rua, seja trabalhando ou me divertindo. Acho que a nossa relação dá certo por isso. É uma parceria construída na base da confiança, da verdade e do respeito“, conta Agnaldo.

E se engana quem pensa que eles não têm os mesmos gostos – natural entre pessoas de gerações diferentes. Na hora de escolher um lugar para sair, eles estão sempre de acordo. “Gostamos de ir para o interior do Estado, nos finais de semana, visitar cachoeiras, ou ir à praia“, conta Agnaldo. Até no gosto musical eles se parecem. “Não sinto que tenho 53 anos. Curto as mesmas músicas que ela, principalmente o forró“, diz.

A maior prova de amor dos dois está na relação com o filho de Shirley, o João Arthur, de 2 anos. “Quando nos conhecemos, eu estava grávida, e ele não teve vergonha disso, nem quis desistir da relação. Assumiu o João como filho do coração, como ele mesmo diz, e eles se amam de verdade, como pai e filho“, conta Shirley. “Não devemos nada a ninguém e não tememos a reprovação dos outros“, completa Agnaldo.

Diferenças que atraem olhares

À primeira vista, a artista plástica Elisa Queiroz, 39 anos, e o videomaker Fran de Oliveira, 34, casados há sete anos, são muito diferentes um do outro. Ela tem apenas 1,60m de altura e pesa cerca de 100kg; ele, do alto dos seus 1,80m, pesa pouco menos de 85kg. Nas ruas, o casal quase nunca passa despercebido.

Somos o palitinho e a bolinha. E ainda tem o nosso jeito nada convencional de se vestir. Os comentários são os mais diversos. Até sinal da cruz as velhinhas fazem pra gente“, conta Elisa. Mas se engana quem pensa que eles se incomodam com essas reações. “Temos muitas coisas em comum, inclusive coincidências como o fato de sermos librianos e fazermos aniversário um dia depois do outro“, diz Elisa.

No início do namoro, nem mesmo a família de Elisa apostava no relacionamento. A aparência de Fran assustava a mãe dela, mas ele acabou conquistando a todos. “Os meus colegas, porém, ainda questionavam: ‘Isso vai durar até quando?’”, lembra Fran.

Arte

O preconceito dos outros acabou, inclusive, se transformando em arte, para eles. Em suas obras, Elisa trabalha a ideia de corpo, além de discutir injustiça, religião e outros temas de forma lúdica. “Aprendemos a tirar proveito daquilo que poderia ser motivo de tristeza. Transformamos tudo em arte“, diz Elisa.

Se eles temem os olhares dos outros? “A gente apenas ri. As pessoas acham que somos ‘maus’, que queremos chocar os outros, mas não tem nada disso. Somos o que somos, e aprendemos a nos divertir com isso“, diz Elisa.

Ela, evangélica; ele, muçulmano. E casados

Foi praticamente do outro lado do mundo que a empresária Eliane Paulo Abed Zedan, 45 anos, encontrou o seu grande amor. E convencer a família de que o relacionamento entre uma brasileira, evangélica, e um egípcio, muçulmano, daria certo não foi nada fácil. Para piorar, havia o fato de terem se conhecido pela internet. Era o ano de 2008, e os dois iriam se casar sem nunca terem se visto antes.

As pessoas diziam que eu estava ficando maluca, contavam histórias de muçulmanos que vieram para o Brasil apenas para se aproveitar da mulher e, depois sumiam. Diziam que ele ia me tornar submissa, que eu teria que me converter e não poderia mais ser como eu era“, conta Eliane, hoje casada com o engenheiro Mohamed Sayed Abed Zedan, 44.

Tantas histórias fizeram com que ela desistisse do relacionamento por duas vezes. Nem mesmo o apoio da mãe e das filhas ela teve no primeiro momento. “Mas eu tinha certeza de que era amor, e no dia 9 de novembro de 2008 ele desembarcou no Brasil. Nós nos casamos no dia 27 seguinte“, conta. Até mesmo a diferença religiosa foi superada. “A gente se respeita, e nenhum dos dois quer se converter. O fato de adorarmos a Deus nos une, independentemente das orações que façamos“, diz Eliane.

Hoje, mais de um ano depois, um outro “problema” tem sido superado: o da comunicação. Quando se conheceram, Mohamed falava apenas árabe e inglês. Já Eliane não falava nada além do português. Para se comunicarem pela internet, ela usava um tradutor de frases para o inglês.

Hoje, Mohamed faz aulas de português e já consegue se comunicar com as pessoas. “Mas a gente só precisa do olhar para dizer que se ama“, diz Eliane. Ainda neste ano, os dois pretendem viajar para o Egito, quando Eliane deverá conhecer a família do marido. “Sinto que será um choque de costumes, tanto para mim quanto para eles. Mas a família dele me respeita, porque sabe que nós também nos respeitamos“, diz.

Entre o amor e a família, o amor

Meu pai era de família italiana muito tradicional e queria que eu me casasse com um homem rico, bonito e perfeito. Quando apareci em casa com meu novo namorado, pela primeira vez, carregado no colo, foi como se o mundo tivesse acabado“. A história de amor da pedagoga aposentada Terezinha Cogo Lodi, 58 anos, e do deputado estadual Cláudio Vereza, 59, parece enredo de novela. E de novela com final feliz.

A aceitação da relação entre a “menina bonita” e o “rapaz aleijado” – como os dois eram vistos pela família e pelos colegas – só veio depois do casamento, em outubro de 1976. “No início do namoro, meu pai negava quando as pessoas perguntavam se estávamos juntos. Quando ele viu que a coisa era séria, ordenou que eu escolhesse: era o Cláudio ou a família, e eu tinha uma semana para pensar. Na mesma hora eu respondi que queria apenas duas horas para arrumar as minhas coisas“, conta Tereza.

Ela chegou a morar em uma congregação de freiras e, depois, dividiu apartamento com uma amiga, na época da faculdade. Mas, em nenhum momento, duvidou da escolha que fez. “Nunca enxerguei deficiência alguma no Cláudio. Os colegas diziam que eu ia passar a vida inteira empurrando uma cadeira de rodas. Era muita bobagem!“, lembra. O pai, com o passar dos anos, se tornou a visita mais frequente na casa deles.

Hoje, 33 anos depois e cinco filhos, eles só tem a comemorar. “Transformamos os problemas em trabalho e dedicação. Se tivesse que voltar no tempo, faria tudo de novo“, completa Tereza.

Análise

Angelita Corrêa Scardua

Desde muito cedo aprendemos que certas características e condições materiais conferem mais valor a um indivíduo do que outras. Com isso, tendemos a acreditar que algumas pessoas são melhores, não em função do que elas realmente são mas do que aparentam ser. Contudo, quanto mais convivemos com diferentes tipos humanos, mais chances temos de entender que o valor de uma pessoa não pode ser medido pelas aparências. Num sentido subjetivo: o preconceito está intimamente associado com imaturidade emocional.

Na lógica dos que são preconceituosos, a união entre duas pessoas muito distintas é percebida como a de um “perfeito” com um “imperfeito”. A rejeição do vínculo afetivo entre diferentes independe do nível de satisfação demonstrado pelo casal, onde há preconceito não há respeito pelos sentimentos alheios, há somente o desejo de fazer prevalecer a própria visão de mundo.

Enfrentar a rejeição e o preconceito não é fácil e pode abalar a relação. É natural que um casal enamorado busque apoio e acolhimento entre as pessoas com as quais convive. Quando isso não ocorre é comum surgir insegurança em relação ás próprias escolhas. Brigar por um amor requer coragem. A palavra “coragem” vem do latim “cordis”, que quer dizer coração. Ter coragem tem a ver com ser capaz de pôr o coração naquilo que faz. Quando nosso coração está em alguma coisa temos a confiança necessária para lutar por ela.

Talvez a coragem explique o sucesso de alguns relacionamentos que venceram o preconceito. Se não desejarmos muito uma pessoa dificilmente teremos a energia necessária para lutar por ela. O amor é uma parte essencial do sucesso de uma relação afetiva, mas diálogo, compreensão e vontade são armas igualmente poderosas na arena romântica, não importa quais sejam os protagonistas e quão profundas suas diferenças.

Imagem: “Voando Para os Seus Braços” (detalhe) por De Sousa em 1x.com

Anúncios

Um comentário sobre ““Eles moveram montanhas por um amor com final feliz”

  1. Histórias lindas estou muito emocionada,e pronta para enfrentar os obstáculos para encontrar o amor.Só falta o outro lado me amar também

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s